Toda forma de amar

Quando as horas depressa se passam
É quando mais queríamos que se atrasassem um pouco
Para que pudéssemos desfrutar os bons momentos
Que nos são proporcionados.

Quando por nada no mundo elas se passam
É quando mais queríamos que elas dessem um salto à frente
Para fugirmos da ansiedade que nos invade
E pouco a pouco nos apresenta à nossa própria fragilidade.

E no ímpeto de querermos viver melhor,
E viver não é mais forte ou diferente de amar,
É preciso antes de mais nada entender

Que não nos é permitido fugir
Pois nos é facultado o viver
Através de toda forma de amar.


Poema publicado no livro “Simpatia” (esgotado)