Sobrevida

Nas ruas são cestas e cestas de lixo
Repletas, aguardando a coleta.
Nas casas são latas de lixo
Repletas, aguardando descerem às cestas.
Nos mercados são marcas e rótulos
Aguardando serem levadas para casa
E as sobras virarem lixo.
No campo, nas fábricas, nos armazéns
São produtos em construção
Aguardando virarem marcas e rótulos…

Nas ruas, cestas e cestas de lixo
Se transformam em bancas de feira
                                 são mercados com sobras
                                 são fontes de vida.
                                                       vida?
                                                       sobrevida?
                                                       sofre vida,
                                                       sofrida,
                                                       demais!


Poema publicado no livro “Anjo Único“.

Publicado na antologia “5ª Coletânea de Poemas-Sonetos-Cordéis” da editora Perse (2022).